- Publicidade - spot_img
terça-feira, novembro 29, 2022
HistóriaO Carnaval de Veneza

O Carnaval de Veneza

-

- Advertisment -spot_img

La storia del carnevale di Venezia
O Carnaval de Veneza, se não for o mais impressionante, é certamente o mais conhecido por sua beleza e mistério, mesmo passados 900 anos desde o primeiro documento que se refere a este famoso festival. 
Quem nunca ouviu falar? Existem lembranças das festividades do Carnaval desde 1094. O Carnaval é um feriado público desde 1296, quando o Senado declarou feriado público no último dia da Quaresma. No entanto, o carnaval tem tradições muito antigas, as quais se referem a cultos ancestrais de transição do inverno para a primavera, cultos estes presentes em quase todas as culturas ocidentais. Basta pensar nas saturnais romanas ou cultos dionisíacos em que o lema era “Semel no ano licet insanire” (“Uma vez por ano, é permitido não ter nenhum freio”). Esta tradição reflete o espírito da oligarquia veneziana e das classes dominantes da América, mas também concede às classes mais baixas a possibilidade vivenciar, por um curto período de tempo, a ilusão de ser semelhante ao poderoso, permitindo-lhes publicamente zombar do rico usando uma máscara no rosto. Consistiria, portanto, em uma válvula de escape útil para controlar as tensões sociais, a exemplo da expressão em latim “pão e circo”. Inicialmente, o Carnaval era muito mais longo. Começava no primeiro domingo de outubro, como forma de intensificar o dia posterior à Epifania e culminava nos dias que antecedem à Quaresma. Nos dias hodiernos, o Carnaval dura cerca de 10 dias e coincide com o período pré- Páscoa. No entanto, a febre do Carnaval começa muito antes, de forma que não seria demasiado ou injusto dizer que em Veneza a febre do Carnaval não se arrefece durante os demais períodos do ano. A euforia sutil se arrasta pelas ruas estreitas da cidade mais bela do mundo e cresce imperceptivelmente, tão naturalmente como a água de sal borra os contornos das coisas, sugere mistério e cria a atmosfera de tempos passados. Uma vez que o Carnaval de Veneza permite deixar de lado as ocupações diárias para se dedicar ao lazer, os palcos foram construídos nas principais áreas da cidade, ao longo da Riva degli Schiavoni, na Piazzetta e da Piazza San Marco.
As pessoas se aglomeravam para ver as mais variadas atrações. Malabaristas, acrobatas, animais, danças acrobatas, trombetas, pífaros e tambores foram quase gastos. Os vendedores ambulantes que vendem frutas secas, castanhas e fritòle (fritele; panquecas) e sobremesas de todos os tipos, muito cuidado em salientar que eles vêm de países distantes de sua mercadoria.

A cidade de Veneza, a grande cidade comercial, sempre teve um especial vínculo com os países distantes, em especial com o Oriente, referência esta que não falta em qualquer edição do Carnaval e que é traduzida por um fio vermelho que continua a vincular a viagem mais conhecida e legendária do explorador Marco Polo à China, onde viveu por cerca de vinte e cinco anos na corte de Qubilai Khan. Alguns carnavais fizeram história. O de 1571, por ocasião da grande batalha das forças cristãs em Lepanto, quando o domingo de Carnaval foi encenado um desfile de carros alegóricos. La fede dominou com o pé um dragão acorrentado e foi seguida pelas virtudes teologais. La vitória elevou a lança e finalmente triunfou sobre o seu inimigo. Em 1664, por ocasião de núpcias na casa Cornaro em San Polo, organizou-se um grandioso e divertido baile de magníficas máscaras, onde participaram muitos jovens patrícios. A esplêndido desfile atravessou Veneza e parou em dois dos mais famosos mosteiros da cidade: San Lorenzo e San Zaccaria. 
Em 27 fevereiro de 1679, o duque de Mantova desfilou com uma comitiva de índios, negros, turcos e tártaros e, ao longo do percurso, desafiou e combateu e matou seis monstros, depois eles começaram a dançar.
No Carnaval 1706 os jovens patrícios se fantasiaram de persas e atravessaram a cidade para depois se exibir na corte e nos parlatórios dos principais conventos (San Zaccaria e San Lorenzo). Veneza tornou-se a grande escola européia do prazer e do lazer, das máscaras e da “irresponsabilidade”, da metamorfose e do carnaval. Foi e ainda é sua principal característica.
Por muitos dias por ano, o mundo parecia não oferecer mais resistência. Os desejos tornavam-se realidade e não havia nenhum pensamento ou ato que não fosse possível. Esta foi Veneza no século XVIII, um século em que, mais que em qualquer outro, tornou-se um lugar de charme infinito e de patrimônio do mundo de fantasia.
Veneza foi então o mundo de Giacomo Casanova, um mundo superficial, festeiro, decorativo e de muita elegância. O mundo de pintores como Boucher, Fragonard, Longhi, Rosalba e Tiepolo Giambattista. A pátria do pai da commedia dei caratteri.
Um dos maiores autores de teatro europeu e um dos escritores italianos mais famosos no exterior, Carlo Goldoni, em um poema dedicado ao Carnaval, representou o espírito da festividade: “Qui la moglie e là il marito Ognuno va dove gli par Ognun corre a qualche invito, chi a giocar chi a ballar” No século XIX, no entanto, Veneza e seu carnaval encarnou o mito romântico internacional la Laguna, com suas brumas e aspecto pantanoso tornou-se um destino de artistas, escritores, músicos, aventureiros e lindas mulheres de todo, como Sissi da Áustria, Wagner, Byron, George Sand, Ugo Foscolo. O Carnaval sofreu um período de calmaria após a queda da República de Veneza, porque passou a ser mal visto durante a ocupação temporária da região por Áustria e França. A tradição foi preservada nas ilhas de Burano e Murano, onde continuaram a ser comemorado. Somente no final dos anos setenta do século XX, alguns cidadãos e associações cívicas se dedicaram a ressucitar o Carnaval, que foi reinaugurado em 1979. A prefeitura de Veneza, o Teatro La Fenice e a Biennale preparam um programa de 11 dias, entre os quais foi deixado espaços para a improvisação e espontaneidade, sem esquecer o apoio logístico, com restaurantes e acomodações a preços acessíveis. O Carnaval de hoje é um acontecimento maravilhoso que envolve grandes patrocinadores, redes de televisão e fundações culturais. Atrai multidões de espectadores de todo o mundo, com milhares de máscaras do festival, com uma ocupação brilhante e pacífica da Laguna de Venezia. Entre as ruas estreitas da bonita cidade, por cerca de 10 dias tem lugar uma representação contínua de alegria teatral e brincadeiras, tudo em máscaras para comemorar o encanto de um mundo de dança, de brincadeiras e encontros românticos.
Buon carnevale!!!!!


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Cultura

Dante Causa? Antenado? Quais as diferenças?

Qual é a diferença entre “Dante Causa” e “Antenato”? Você já ouviu esse tipo de nomenclatura em algum lugar? Existe uma...

Reconhecendo a cidadania italiana pós-pandemia

Com a aprovação da vacina contra a Covid-19 e o início da imunização em quase todos os países, ainda que...

União estável vale na Itália?

Quando a Lei italiana nº 76/2016, a “Legge Cirinnà”, entrou em vigor (esta que determina a união civil entre...

Thiago e Rafael Migliorini Tenório

Conosco as coisas aconteceram de um modo interessante, sinérgico e até fantástico. Nós decidimos na mesma semana que embarcaríamos...
- Advertisement -spot_imgspot_img

Danilo

"Quando decidi iniciar meu processo de cidadania Italiana, achei que tudo seria bem fácil, porque minha prima que morava...

Gabriele Menin

Sou modelo e reconhecer a minha cidadania italiana além de um sonho era importante para o meu trabalho, por...

Mais lidos

Gabriele Menin

Sou modelo e reconhecer a minha cidadania italiana além...

A importância da língua para um oriundo

O reconhecimento da cidadania italiana ius sanguinis é o...
- Publicidade -spot_imgspot_img

Você irá gostar tambémEspecial
Recomendados para você